As filhotes nasceram no dia 17 de julho último. Foto SMCS

O Zoológico Municipal de São José do Rio Preto comemora: nasceram em cativeiro dois filhotes de Lobo- Guará, uma das espécies brasileiras em extinção. São duas fêmeas, cujo nascimento foi anunciado nesta quinta-feira (24) pela Prefeitura de Rio Preto.

O Lobo-Guará (Chrysocyon brachyurus) é animal típico do cerrado e tornou-se mais popular por ilustrar as novas notas de R$200, lançadas pelo Banco Central do Brasil. Ele pertence a uma espécie de canídeo endêmico da América do Sul e único integrante do gênero Chrysocyon. Seu parente mais próximo é o cachorro-vinagre. Ele habita savanas e áreas abertas no centro do Brasil, Paraguai, Argentina e Bolívia.

As duas canídeas rio-pretenses nasceram no dia 17 de julho último, de parto natural e são resultado de cruzamento também natural, ocorrido entre o casal de lobos da espécie que vive no local, o macho Pluto, de 8 anos e a fêmea Vitória, de 4 anos.

As lobinhas nasceram pesando 360 e 365 gramas cada uma, com boa saúde, e estão tendo desenvolvimento rápido. Com pouco mais de dois meses de vida, já se alimentam como os pais com carnes e frutas, ainda mamam e o peso saltou para 4,035kg e 4,325kg, cada. A mamãe loba, apesar da grande demanda das filhotes, também está bem.

Como a gestação do Lobo-guará é de 63 dias, a concepção das lobinhas ocorreu já no período da quarentena, época em que o Zoológico se mantém fechado para o público.

Histórico da família

O pai da ninhada, o macho Pluto, chegou no Zoo em junho de 2012, com cerca de 2 meses de idade, encaminhado pela Polícia Ambiental de Fernandópolis. Foi colocado com uma fêmea já existente no local, que tinha vindo de transferência do Zoo de Bauru e que morreu dois anos depois, não tendo se reproduzido no período.

Já a mãe, a fêmea Vitória, deu entrada no Zoo em junho de 2016, com cerca de dois meses de idade, encaminhada pela Polícia Ambiental de Votuporanga. À época, apresentava uma fratura na pata traseira, que foi consolidada com leve desvio. Foi mantida em um recinto, ao lado do macho por cerca de oito meses e, posteriormente, foram colocados juntos. Em julho de 2018, dia 17, deu cria ao seu primeiro filhote, que, devido à inexperiência veio a óbito dois dias depois. Em abril de 2019 foram mudados de recinto, e agora,em julho de 2020, pariu duas fêmeas com sucesso. Vivaaa!