O novo terminal foi projetado para reduzir o tempo de espera dos 75 mil usuários do sistema. Foto SMCS

Considerada uma das melhores cidades do Brasil para se viver, São José do Rio Preto ganha, neste sábado (30) um moderno  terminal para ônibus urbanos. Inicialmente chamado Terminal Central Park, o projeto foi idealizado para oferecer mais comodidade e segurança aos 75 mil usuários do sistema.

O município investiu R$ 64 milhões nessa obra, provenientes  do Governo Federal, através do  Programa Pró-Transporte em convênio com a Caixa Econômica Federal, firmado pela gestão anterior a do prefeito Edinho Araújo (MDB). O novo terminal inclui um viaduto de acesso pela avenida Julio Mesquita exclusiva para ônibus visando reduzir o tempo de espera dos usuários.

Entre um itinerário e outro, os passageiros poderão descansar em uma praça de convivência com bancos e arborização localizada próxima às plataformas de embarque. Setenta e nove câmeras farão o registro das imagens dentro e fora do terminal.

Há 80 bancos, 125 lixeiras e várias tomadas para o carregamento de telefones celulares disponíveis ao longo das plataformas. São 16 totens de informações com 32 monitores que informarão o horário de chegada e partida das linhas em tempo real.

“O novo sistema será mais ágil, com menos tempo entre a entrada e a saída dos ônibus do terminal. Isso aumentará a rotatividade em cada plataforma. Assim, quem ganha é o usuário, pois não haverá aglomerações”, explica o secretário de Trânsito, Transporte e Segurança de Rio Preto, Amaury Hernandes.

Todo o terminal conta com acessibilidade para cadeirantes, pessoas com mobilidade reduzida e com deficiência visual. São quatro elevadores e duas escadas rolantes, além de piso tátil em toda a extensão. Para a travessia das ruas internas foram construídas quatro lombofaixas.

A regularidade dos ônibus e o cumprimento dos horários serão acompanhados a partir de uma sala de monitoramento com dez postos de trabalho instalada no Centro de Controle e Operações. A sala conta com representantes da Emurb (Empresa Municipal de Urbanismo) e s do consórcio Riopretrans, que opera o transporte coletivo em Rio Preto.

Na entrada principal, pela avenida Bernardino de Campos, ficam os seis guichês para venda de passagens e dez catracas de acesso às plataformas. No acesso pela Philadelpho Gouveia Neto está a sala que abrigará uma nova base da Guarda Civil Municipal (GCM).

Extensão

Os dois pisos do novo terminal somam 28 mil metros quadrados. Na parte superior existem jardins, uma esplanada, um anfiteatro de 330 metros quadrados – com capacidade para receber 750 pessoas – e um deck com 370 metros quadrados para descanso no final da tarde.

Os quatro banheiros públicos contam com acessibilidade para cadeirantes e os seis bebedouros disponíveis aos usuários contam com sistema de resfriamento da água.

 

À esquerda da entrada principal funcionará um bicicletário com capacidade para 120 bicicletas. Além disso, o entorno do terminal conta com uma ciclovia que fará a conexão entre as faixas exclusivas para bicicletas da avenida Philadelpho Gouveia Neto com as que margeiam a Represa Municipal, passando por trás no prédio da Biblioteca Municipal. Será proibido o comércio de ambulantes e fumar na parte interior do terminal.

Ajustes

Após a entrada em operação, o Consórcio Riopretrans, irá avaliar em tempo real a necessidade de ajustes nos horários das linhas e na quantidade de rodadas por linha. Caso haja necessidade, os ajustes serão feitos nos primeiros 15 dias. “Esse é um movimento normal, como os itinerários foram alterados, as vezes precisamos ajustar alguns horários. A avaliação é sempre realizada em tempo real e os ajustes são constantes, toda vez que detectamos a necessidade”, afirmou o secretário Amaury Hernandes.