O prefeito Edinho Araújo e o presidente do Semae, Nicanor Batista, assinaram ontem a ordem de serviço. Foto SMCS

Considerado o maior reservatório de água potável do planeta, o aquífero Guarani, se tornou também uma das principais fontes de água para os cidadãos de S.J.Rio Preto. O prefeito Edinho Araújo (MDB) assinou nesta terça-feira (8) a ordem de serviço para a perfuração e instalação de um novo poço profundo para captar águas do aquífero. Será no Residencial Palestra, região Norte de Rio Preto. O poço, com uma profundidade prevista de 1.050 metros, vai produzir 250 mil litros de água por hora, o suficiente para atender uma população de até 20 mil pessoas.

A Vodaoil Serviços de Petróleo LTDA irá executar a perfuração por um custo de R$ 2,6 milhões. Em 160 dias o novo poço deve estar pronto. É o 9º poço no Aquífero Guarani, no município de Rio Preto. Além do Guarani, responsável hoje por 25% da água tratada do município, o abastecimento na cidade conta com 351 poços no Aquífero Bauru (que representa 50% do total de água) e com o captado na Represa Municipal (25%). O Guarani é o maior do planeta e abrange os territórios do Uruguai, Argentina, Paraguai e Brasil.

A captação nos aquíferos subterrâneos não é recomendada por ambientalistas, já que os aquíferos não recebem reposição da água extraída.

O município alega que a perfuração é necessária para suprir a demanda de fornecimento de água, principalmente na região Norte da cidade. Atualmente, são produzidos em Rio Preto 3,9 milhões de metros cúbicos (m³) de água tratada. A quantidade é suficiente para abastecer os 450 mil moradores de Rio Preto e a população flutuante da cidade, totalizando um número aproximado de 500 mil habitantes. “Estamos pensando no futuro. A Fundação Seade projeta 466 mil moradores em 2030. Com a população flutuante deveremos chegar a 550 mil pessoas. Precisamos nos preparar para atender essa demanda”, explica o presidente do Semae, Nicanor Batista.

Além deste, o Semae anunciou que irá perfurar outros dois poços no Aquífero Guarani, com capacidade média de produção de 250 m3 por hora, cada, sendo um deles na Zona Leste (entre os Damhas e Guapiaçu) e outro, na Zona Sul (atrás do Shopping Iguatemi). A produção dos três poços irá abastecer mais 50 mil habitantes aproximadamente. A medida está prevista no Plano Diretor de Água e Esgoto do Semae. O último poço perfurado no Guarani em Rio Preto foi em 1996, no Cristo Rei, com uma vazão de 350 m³ por hora.

 A perfuração dos novos poços é considerada provisória, já que a retirada de água do Aquífero Guarani é extrativista. A solução definitiva é buscar água no rio Grande. O projeto executivo já foi licitado, contratado e está sendo executado, desde fevereiro, empresa Estática Engenharia Ltda.