Michel Temer: visivelmente pouco à vontade.
Michel Temer: visivelmente pouco à vontade.

O Presidente da República, Michel Temer, desembarcou em solo riopretense às 11h05, desta sexta (24) com uma hora de atraso. Ele trouxe na comitiva o senador riopretense Aloysio Nunes (PSDB), Ministro das Relações Exteriores, o Ministro das Cidades, Bruno Araújo e o presidente da Caixa Federal, Gilberto Occhi. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) já o esperava no aeroporto junto com o prefeito Edinho Araújo. Da comitiva de Alckmin veio o secretário de Habitação, Rodrigo Garcia. Temer veio participar da entrega das casas do Residencial Solidariedade e já fez a entrega da primeira casa. Após a solenidade no palanque montado para os moradores do novo bairro, construído com recursos do Programa Minha Casa Minha Vida e Casa Paulista, ele seguirá para a residência da família Bassitt, onde será recebido com um almoço árabe.

Entrelinhas

Um imenso aparato foi montado para a vinda do Presidente da República à S.J.Rio Preto. Dois helicópteros de grande porte chegaram ontem (23). Um outro jato reserva também veio para o caso do avião oficial da Presidência, o luxuoso Airbus A 319, conhecido como Aerolula, (adquirido pelo ex-presidente petista), desse problema. Um séquito de seguranças e assessores invadiram a cidade. A imprensa mal chegou perto de Temer. Os protestos organizados contra ele foram devidamente desviados. O Presidente desceu do Airbus e já embarcou no helicóptero seguido pelo governador Geraldo Alckmin, pelo prefeito Edinho Araújo e os membros da comitiva. Ele foi direto para o loteamento de casas. As 1,3 mil moradias foram construídas pelo governo Valdomiro Lopes (PSB)  com verbas liberadas pela ex-presidente (cassada) Dilma Roussef (PT).

Sem graça

Michel Temer demonstra claramente que está pouco à vontade no papel de Presidente. Ele sabe que tudo o que faz  recebe críticas de petistas, ex-aliados e órfãos do poder da era Lula-Dilma. Temer também sabe que as citações de seu nome na Operação Lava-Jato o impedem de degustar livremente as benesses do poder. Ele veio a Rio Preto para consolidar o presídio do seu colega de partido, Edinho Araújo e para  ampliar o poder do PMDB no interior de São Paulo com vistas às eleições 2018. Afinal o que fazem os políticos senão pensar na próxima eleição? A comitiva partirá de volta a Brasília logo depois do almoço na casa de Yolanda Bassitt.