Quando se fala em coluna social, na S.J.Rio Preto 2013, o nome é Frederico Tebar. A foto acima indica como ele circula pela noite: rodeado de bons amigos. E é assim em todas as rodas, não apenas naquelas que lhe são convenientes. Por sua habilidade e bom trânsito, ele se tornou sócio da casa noturna Pink Elephant Rio Preto em 2012. “Parece que foi ontem, mas já faz um ano que entrei nessa”. A experiência terminou na última semana, quando ele comunicou seu desligamento do grupo de sócios. Fred explica  ao blog  porquê fez essa escolha  e para onde vai alçar vôo, depois de passar de anfitrião a frequentador do point, que é o ícone do momento em termos de balada de alto nível.

Política&Afins – O que você leva da Pink? Boas referências no currículo?

Frederico Tebar – Ótimas. O melhor da noite não é o dinheiro que se ganha, nem o uísque que se bebe. Para mim são as pessoas que conheço. Nestes meses na Pink fiz muitas amizades e absolutamente nenhum desafeto, então, saí no lucro. Quando estou numa boate, como sócio ou habituê, estou badalando e fazendo o social. Ou seja, o trabalho de colunista é full time.

 P&A -O Fred promoter deu uma pausa para o jornalista voltar com tudo?

Fred – O jornalismo sempre foi minha prioridade. Coquetéis, eventos e boates faço no tempo que me sobra – quando sobra. Como não estava sobrando, optei por me desligar do projeto. Tudo numa boa; até porque continuo frequentando e indicando. A Pink continua sendo a principal casa noturna da cidade. A segunda colocada vem muito atrás, em todos os aspectos.

P&A – Qual a avaliação da experiência Pink?

Das quatro casas noturnas que me envolvi como sócio, a Pink foi sem dúvida a mais trabalhosa. A conclusão que fica é que não se pode ser sócio de uma casa deste porte apenas dispondo do tempo que lhe sobra. É preciso dedicação intensa para atingir o sucesso. No mais, quem me conhece sabe que meus rendimentos não vem – e nunca vieram  – de boate.

P&A – Qual sua próxima empreitada?

Fred – Na noite só mesmo frequentar, registrar e se possível, curtir. Permaneço completamente focado em minha coluna no BOM DIA, no meu programa de tv e no burburinho de eventos (sociais) que pedem minha colaboração.

 P&A – Tem novos points surgindo no horizonte. O que você vislumbra como nova tendência? Boa comida está superando a boa balada? Temos espaço para os dois?

Fred – Bares e boates vão e vem, num piscar de olhos. É isso que torna a noite interessante. Espaço há para todo mundo que trabalha determinado e respeita o cliente. Mas, não há dúvidas: tem muito boteco tirando cliente de boates e festas chiques.